Cuparaque: cidade das Montanhas e Pedras


13 out/2015

{0AA2C482-C867-D0BE-3CCC-54BD6ABEB7DD}_530X420

Os primeiros habitantes da região onde se localiza o município foram os índios da tribo dos Aimorés , atualmente denominados Krenak e também conhecidos como “Botocudos” . Após terem sofrido o processo de expansão econômica sobre o Vale do Rio Doce, em que foram vítimas de massacres, expulsões e disputas de suas terras, hoje, a maior parte da população Krenak vive em reserva indígena de 4.000 ha demarcada no município vizinho de Resplendor.  Em Cuparaque, ao que tudo indica, não há resquícios dessa civilização. Como referência, ficou o nome do município que, tomado de empréstimo da linguagem indígena Krenak, significa onça pintada (cupa = onça, raqueque = pintada), possivelmente numa alusão à lenda do animal que ali habitava.

Os primeiros desbravadores:

A partir do começo do séc. XX, chegaram os primeiros desbravadores, todos provenientes da Zona da Mata mineira e do Estado do Rio de Janeiro. Pedro Lessa, Antônio Ferreira de Lisboa, Francisco Garcia de Brito, José Evangelista de Miranda, Antônio Hipólito da Silva, Francisco Carmo Costa e Pedro Luciano Pinto são alguns desses pioneiros. Por volta de 1935, vieram os Balbino, integrantes de família que seria tradicional na cidade.  Segundo LEMOS (2005), esses desbravadores atribuíram diferentes nomes ao povoado que se iniciava. Pedro Luciano Pinto denominou-o “Pé da Serra”; Antônio Hipólito da Silva, “Onça Pintada”; os Balbino, “Aldeia de Cima” em oposição à Aldeia de Baixo, povoado vizinho que constitui o distrito de Aldeia, hoje pertencente a Cuparaque. Através do plebiscito de 22 de outubro de 1995, ficou definida a atual designação do município. Aldeia integrava o município de Itambacuri que foi elevado a distrito e emancipado junto com Conselheiro Pena pela Lei Nº. 148 de 17 de dezembro de 1938. Com a Lei Nº 336 de 27 de dezembro de 1948, o povoado de Aldeia de Cima foi elevado a distrito de Conselheiro Pena. Graças à Lei Nº 12.030 de 21 de dezembro de 1995, Cuparaque foi emancipado. Aldeia passou a ser seu distrito e Santa Eliza e Ferrujão, povoados.

Representantes públicos:

Em outubro de 1996, os cuparaquenses, pela primeira vez, elegeram seus representantes públicos. Narcísio Teixeira Neto foi eleito prefeito, tendo ocupado o cargo por dois mandatos sucessivos, isto é, de 1997 a 2000 e de 2001 a 2004. Na última eleição municipal, foi eleito Nilson Machado Dias como prefeito e Maxwell Monteiro da Silva como vice para o período de 2005 a 2008.

Cãmara de vereadores:

A Câmara de Vereadores está constituída por nove membros, sendo eles: Custódio Marciano Neto (PMDB), Gilmar Fernandes Machado (PP), Ermany Monteiro da Silva (PFL), presidente, Valdercilio Berto da Costa (PL), Armantino Ferreira Dias (PSDB), Francisco Vilaça Flausino (PMDB), José Venâncio Bacelar (PMDB), Paulo de Tarso Lemos (PMDB) e Devair Vieira de Souza (PSDB). A única legislação municipal existente é a “Lei Orgânica do Município de Cuparaque-MG”, promulgada em 30 de junho de 1997. O primeiro homem branco a habitar o distrito de Aldeia foi José Ferreira Júnior, por volta de 1915. A partir de negociações com os Krenak, conseguiu adquirir terras para instalar a sua família. João Menino, Pedro Barcelar, Antônio de Paula, Josino Francisco de Paula, Tito Carlos, Elias Pereira e a família Furtado foram os primeiros colonizadores que vieram formar o atual distrito. José Ferreira Júnior doou terrenos para a construção das primeiras igreja e escola de Aldeia, abrindo caminho para a instalação de vários pontos de comércio. O primeiro templo foi construído por volta de 1930, tendo sido demolido para dar lugar ao atual edifício da Igreja Católica do Divino Espírito Santo. A primeira escola chamava-se Escola Combinada de Aldeia e contava com as professoras pioneiras do distrito: Haidêe Silvano e Celeste Maria de Souza. Em 1968, passou a ser denominada Escola Estadual de Aldeia e a atender crianças do pré-primário ao ensino básico. Hoje, numa homenagem ao fundador de Aldeia, chama-se Escola Estadual José Ferreira Júnior. Em 1948, ano de elevação de Aldeia a distrito de Cuparaque, o lugar era considerado pólo comercial da região. Contava, então, com quatro lojas de tecidos, duas farmácias, três armazéns gerais, uma padaria, um restaurante, um dormitório e um cartório. Entretanto, a base econômica de Aldeia concentrava-se na agricultura e na pecuária. Plantava-se, principalmente, arroz, feijão, milho e mandioca e criava-se o gado leiteiro. Atualmente, a economia aldeense continua se baseando na agropecuária, com comércio e serviços ainda pouco expressivos.

Instituições:

Ao todo, Cuparaque possui oito instituições escolares públicas que englobam do pré-escolar ao ensino médio. No distrito sede, estão o Pré-escolar Rapunzel, a Escola Estadual Moacir Albuquerque (ensino básico e médio) e a Escola Municipal Dona Tazinha (ensino fundamental). O distrito de Aldeia conta com o Pré-escolar Mônica e a Escola Estadual José Ferreira Júnior (ensino básico). Na zona rural, localiza-se a Escola Municipal Maria de Lima Maciel. No povoado de Ferrujão, está a Escola Municipal Davi José Furtado e, na região do Alto Cuparaque, a Escola Municipal Sebastião Ferreira Martins, ambas de ensino fundamental. A única escola particular existente é a CELI (Centro Educacional da Língua Inglesa), que funciona desde 2003 em Aldeia.  Também neste distrito, em 1996, foi aberta a primeira creche, a qual atende em média a 50 crianças. Atualmente, transformou-se no Pré-escolar Mônica.

Economia:

A economia do município sempre se concentrou na agropecuária, destacando a produção de arroz, café, cana-de-açúcar, manga, milho, leite e derivados. A atividade mineradora ocorre em pequena escala no Córrego Ferrujão. A única fábrica de alimentos existente é a Biscoitos Maná que, instalada há um ano, produz biscoitos de polvilho. Os gêneros alimentícios de produção artesanal que mais se destacam são o sorvete da Sorveteria Pantaleão, na Praça Vereador Francisco de Assis, distrito sede, a cachaça da família Oliveira em Santa Eliza e o queijo feito por Hilda Bacelar na zona rural de Aldeia. A Capel, indústria de tratamento, beneficiamento e produção de derivados de leite está presente há pelo menos cinco anos, distribuindo a produção leiteira cuparaquense para Conselheiro Pena e Governador Valadares. Antes da sua instalação, todo o leite produzido era tratado em Goiabeiras. O comércio e a prestação de serviços acontecem principalmente na Praça Vereador Francisco de Assis e ao longo da Rua Moacir Albuquerque, no distrito sede. Nesta rua, está situada a Casa Sudré, loja de roupas e tecidos tradicional da cidade. Existem, ainda, loja de móveis, oficinas mecânicas, papelarias, quatro salões de beleza, dois postos de gasolina, bares, três restaurantes, uma hospedagem, três padarias, quatro supermercados, três mercearias e duas farmácias. Em Aldeia, o setor comercial e de serviços se concentra ao redor da Praça Adolfo Scherrer e na extensão da Avenida Pedro Ferreira Tomé, composto basicamente por um posto de gasolina em construção, uma hospedagem e três padarias.

Rede bancária:

As instituições bancárias existentes é o CREDICOPE (Cooperativa de Crédito Rural Conselheiro Pena Ltda.) e a Caixa Econômica Federal com o Caixa Aqui. A partir de setembro de 2007 estará funcionando o banco postal juntamente com a Agência dos Correios.

Imigração:

Há alguns anos, parcela significativa da população cuparaquense tem encontrado na imigração ilegal para os Estados Unidos uma saída para o desemprego e, sobretudo, uma fonte de renda para as famílias. Esse processo imigratório aparece claramente refletido na arquitetura residencial local em que as antigas casas de características Art Déco são gradativamente substituídas por exuberantes construções. Além disso, a elevação do poder aquisitivo dos segmentos da população diretamente favorecidos pela entrada de capital estrangeiro gera um aumento e uma sofisticação do consumo, com conseqüente agravamento dos contrastes sociais. É o que pode ser percebido quando se observa a circulação das tradicionais charretes ao lado de automóveis de elevado padrão.

Saúde:

Na área assistencial, funciona a APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) e a Creche Comunitária Criança Feliz de Cuparaque está em fase de implantação. Com relação à saúde pública, o município conta com um posto de saúde re-inaugurado em 2004 e um laboratório de exames clínicos que atendem satisfatoriamente a população. Trabalham e residem na cidade dois dentistas, um nutricionista e um bioclínico. Os quatro médicos que trabalham no posto vêm de fora. Os atendimentos de urgência e os casos mais graves são encaminhados para Mantena ou Mantenópolis.

Pavimentação:

A pavimentação urbana, que atinge menos da metade das ruas existentes no município, é composta por paralelepípedos, nas principais vias, e por bloquetes de concreto nas demais. O revestimento de paralelepípedos foi implantado em 1986 e o de bloquetes, no ano de 2003. Nas vias periféricas de cada distrito e nas estradas internas ao perímetro municipal, a ausência de pavimentação contribui para dificultar os deslocamentos de veículos e pessoas durante o período chuvoso.

Meios de transporte:

Rodoviário

A Viação Dois Irmãos faz a ligação do município a Conselheiro Pena e a Viação Santos conduz até Resplendor.

Principais rodovias que servem de acesso a capital:

BR – 381 E BR – 259

Tratamento de água:

A COPASA atua há cerca de quatro anos em Aldeia e na Sede do Município o abastecimento é realizado pela Prefeitura Municipal.

Energia elétrica:

A CEMIG instalou-se no município aproximadamente em 1978, mas ainda não atende por completo a sua zona rural. Anteriormente, o fornecimento de energia elétrica era feito através de gerador.

Lazer:

Os espaços de lazer públicos existentes compreendem quadra poliesportiva, campos de futebol de várzea, clube e parques de exposições. Fundados há pouco mais de 20 anos, o Parque de Exposições Ermínio Lopes de Farias, em Aldeia, e o Parque de Exposições Sebastião Lemos dos Santos, na sede, abrigam as grandes festas locais. O Clube Jaguar, desde sua inauguração em 1994, abriga os mais diversos bailes, sempre de periodicidade bimestral e temáticas variadas.

Esporte:

O União Futebol Clube (UFC) de Aldeia reúne-se no Estádio Ademar Vieira, enquanto o Fluminense Futebol Clube (FFC) de Cuparaque conta com clube próprio. A Quadra Poliesportiva José Balbino, no distrito sede, foi inaugurada em 2004.

Cultura:

A Festa Cuparaquense Ausente, que ocorre há 22 anos em julho, caracteriza-se como um dos eventos mais animados e esperados da cidade. Anualmente, acontecem também a Exposição de Artesanato nas Escolas, com destaque para a pintura em tecidos, a Noite de Talentos da Escola Estadual Moacir Albuquerque, a tradicional Festa Primavera, Festa do Trabalhador Rural, organizada pela prefeitura no dia primeiro de maio. O Dia do Índio e o Sete de Setembro são outras festividades de destaque, sendo que esta última ocorre desde 1981, a cada dois anos. O distrito de Aldeia pode ser considerado um pioneiro na área cultural, com a criação do Grupo Teatral “Face Nova” e da “Rádio Nova Cidade 90,9 FM”, únicos exemplares do gênero na cidade. Além disso, na Escola Estadual José Ferreira Júnior, foi produzido o jornal APAIE, veiculado de 2002 a 2003.

Informação:

Quinzenalmente, circulam os jornais “O Trovão” de Barra de São Francisco (ES), ”O Vulcão” de Mantenópolis (ES) e “O Liberal” de Resplendor (MG). As demais estações de rádio que podem ser ouvidas são a 101 FM de Governador Valadares e a 92 FM de Resplendor.

Aspectos naturais:

Situado no Leste de Minas, na região do Vale do Rio Doce, o município está na fronteira com o Estado do Espírito Santo, a norte e a leste, na divisa com Mantenópolis e com Alto Rio Novo, respectivamente. Ao sul, limita-se com Resplendor e, a oeste, com Goiabeira e Conselheiro Pena, todos municípios mineiros. Localizado na latitude sul 18º 58’ 11” e na longitude oeste 41º 5’ 55”, a 200 m de altitude,  apresenta clima tropical com temperatura média anual de 24,5ºC (sendo a máxima de 29,6ºC e a mínima de 18,2ºC), e índice pluviométrico médio anual de 1113,8 mm.  Faz parte da micro-Bacia do Rio Doce (distrito sede) e da Bacia do Rio Eme (distrito de Aldeia), além de ter seu território cortado por diversos córregos, como o Cuparaque, o Ferrujão e o Mutuzinho. O relevo acidentado aparece recoberto por vegetação de campos, onde, pontualmente, podem ser encontrados resquícios de floresta tropical.

A sua paisagem natural é composta por surpreendentes e belas formações rochosas que surgem ora isoladas, ora em conjunto. No distrito sede, as principais são a Serra São José (na fronteira com o município de Mantenópolis/ES), a Serra Santa Eliza (na fronteira com o município de Alto Rio Novo/ES), a Serra Quarenta Oito (na fronteira com o município de Mantenópolis/ES), a Serra do Ferrujão (na fronteira com o município de Mantenópolis/ES) e a Serra da Pedra do Galho (na fronteira com o município de Conselheiro Pena). Na zona rural de Aldeia, está situada a Pedra de Santa Luzia (no ponto central do distrito), a Pedra do Pescoço Mole (entre o distrito e a sede), a Pedra do Garrafão (na fronteira com o município de Goiabeira) e o conjunto de picos denominado Sete Pedras (na fronteira com o Município de Goiabeira). A Pedra do Pescoço Mole ganhou esse nome porque tem na ponta ao sul uma bola parecendo a cabeça de uma criança e um formato de machado, assumindo várias formas, conforme o ponto de onde é observada. A Pedra do Garrafão era chamada de Dedo de Deus por ser semelhante à forma de um dedo polegar. Contudo, devido às dificuldades de ser escalada, por apresentar superfície muito lisa e escorregadia, ganhou a atual denominação. A maioria dessas formações rochosas apresenta patrimônio espeleológico, com grutas e cavernas, o qual ainda é pouco explorado em virtude das dificuldades de acesso. Há também pequenas quedas d’água situadas na região do povoado de Ferrujão.

 

Dados complementares:

Densidade demográfica: em torno de 17,71 hab./km2
Base territorial: 228 Km2
População total: 4.367
População total de homens: 489(Aldeia) – Cuparaque (1.190)
População total de mulheres: 708 (Aldeia) – Cuparaque (1.980)
Atividade econômica urbana: agropecuária e extração vegetal
Atividade econômica rural: agropecuária

{DEEBEDC4-E0BA-C56A-BD2D-BACECA7A1555}_530X420

Fonte: Prefeitura de Cuparaque


Nenhum Comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment