Periquito – Lugar de grandes festas culturais.


13 ago/2015

Historicamente, a economia de Periquito sempre se baseou na extração de madeira. Seja para alimentar as caldeiras das locomotivas, produção de carvão, celulose ou para o setor moveleiro, que sempre assegurou um significativo mercado de trabalho para a mão-de-obra local.

A agricultura também é uma fonte de subsistência do município de Periquito e principal atividade econômica.

O município tem um enorme potencial agrícola e industrial. A sua vasta extensão territorial permite a instalação dos mais variados projetos empresariais.

É importante lembrar que a rodovia 381 passa por toda extensão do município. Esta BR liga Periquito diretamente a Belo Horizonte e ao resto do país.

O município tem, ainda, a presença da EFVM, uma farta mão de obra e a localização estratégica, a meio caminho entre Ipatinga e Governador Valadares.


O Padroeiro de Periquito – São Sebastião

 São Sebastião foi escolhido como padroeiro de Periquito porque era santo de devoção do fazendeiro Waldemiro Barrel – doador das primeiras terras do futuro município.

 A festa litúrgica do santo acontece no dia 20 de janeiro. A Igreja, contudo, tem uma programação rica que, geralmente, dura uma semana. Para os católicos, estes dias são cruciais. Eles se preparam para celebrar o santo e agradecê-lo pelas graças recebidas, em toda sua plenitude.

 Alvorada de fogos, orações e celebrações à volta da Escultura Sacra, procissão pela cidade, Missa e Bênção Solene em homenagem ao padroeiro, shows religiosos, leilões, bingos e barraquinhas permeiam a Semana e enchem Periquito de paz, alegria e religiosidade.

 São Sebastião era francês, nascido em Narbonne, no século III. Os pais, italianos de Milão, o levaram para esta cidade ainda criança. Cresceu em Milão. Serviu como soldado e, posteriormente, alcançou o posto de primeiro capitão da guarda romana, no tempo de Dioclesiano.

Evangelizava e ajudava os cristãos secretamente. Afinal, o imperador Dioclesiano perseguia estes cristãos. Foi delatado e condenado à morte. Assim, colocaram São Sebastião preso à uma árvore e os melhores arqueiros do imperador o flecharam até o considerarem morto. Milagrosamente, o santo sobreviveu e com a ajuda de uma mulher e amigos, recuperou-se. Apresentou-se novamente ao exército e, então, Dioclesiano ordenou que o espancassem até a morte. Ainda, assim, não morreu. Foi morto, posteriormente, transpassado por uma lança.

A tradição de venerar São Sebastião veio junto com os primeiros navegantes portugueses. Estes navegantes, aludiam a imagem de São Sebastião ao rei Sebastião de Portugal. O santo é protetor das lavouras e combate as pestes que atacam estes locais. Entende-se, assim, São Sebastião ser o santo de devoção do fazendeiro Waldemiro Barrel.

O Batuque

Na região, o Batuque é ligado ao término da colheita. É uma dança típica que envolve todas as faixas etárias.

O Batuque é dança certa em todo casamento realizado no Córrego de Santa Cruz. Os encontros sempre acontecem no Sítio que leva o mesmo nome do Córrego. A festa fica animada quando a sanfona, a caixa e a viola começam a fazer sua parte. A reunião não tem hora para acabar.

Os “batuqueiros” querem passar a cultura para os filhos. Querem mostrá-la também nas escolas. Assim, o Batuque vai ser transmitido de geração para geração e nunca vai se perder na história periquitense.

O Batuque tem duas classificações básicas: Batuque Desafio e Batuque Moda. No Desafio, os participantes se revezam em grupos de quatro participantes. Na Moda, os participantes contam fatos acontecidos, relatos. “Os encontros entre os batuqueiros são regados à muita alegria, cachaça e feijoada”, conta Edelson Luiz, filho de um dos pioneiros da dança no Córrego de Santa Cruz

Patrimônio Histórico Cultural 

Lugares arborizados com a preservação da cultura de nosso povo, sinônimo de respeito ao meio ambiente em sincronia com o lazer e o patrimônio histórico.

Prova maior dessa preservação cultural, é a Praça Mirante da Esperança com a escultura sacra – réplica do Cristo Redentor, construída no morro da Capela de São Sebastião, tombada como Patrimônio Histórico Cultural de Periquito, através do Decreto Municipal 013/2005 de 11 de março de 2005.

A Capela São Sebastião é, sem dúvida, o maior ponto turístico de Periquito. Construída no ano de 1957, foi inaugurada no dia 20 de janeiro de 1958 em missa solene e celebração dos matrimônios de Antônio Gonçalves Ramos e Nilda Zeferino Ramos e José Zeferino da Silva e Amélia Vítor, celebrada pelo então Bispo da época Dom Hermínio Malzone Hugo e Padre Henrique, personagens fundamentais da história do município.

Sem dúvida, a maior prova do resgate da história, onde de fato tudo começou em Periquito.

Festas Populares: 

Carnaval de Rua

O Carnaval de Rua de Periquito é uma tradição e esse sucesso se dá pela ativa presença de toda comunidade que prestigia o evento com muita ordem, cordialidade com os visitantes e, principalmente, com muita alegria.

A Folia periquitense é considerada uma das melhores festas de carnaval do leste mineiro e atrai pessoas de toda região.

Esta é uma festa que, por sua magnitude em termos culturais e pela sua importância nacional, desenvolve a tomada de iniciativas que possibilitam a convivência entre a preservação da cultura e o exercício da mais pura manifestação popular do Brasil.

Esses resultados são positivos para a cidade e para o público visitante.

A cada ano que passa, temos um recorde de público e a festa de maior tradição brasileira é abrilhantada em Periquito com a presença de vários blocos que são uma surpresa para o evento e, estes, demonstram irreverência e bom humor

Cavalgada e Rodeio Show 

A tradicional Cavalgada e Rodeio acontece em Periquito anualmente sempre entre o fim de junho e início de julho. Ainda é mais tradicional do que o Carnaval no município, é considerada uma festa mais familiar e exige um insvestimento bem maior do governo municipal.

A Cavalgada de Periquito a cada ano bate recordes de público e, nem o frio que abate a cidade nos dias da festa, serve como pretexto para que os visitantes e periquitenses deixem de prestigiá-la. Pelo contrário, o frio, fenômeno raro, é muito bem-vindo para embelezar ainda mais a tradição da festa.

A tendência deste evento é só crescer. Periquito oferece uma festa de grande nível e totalmente gratuita.

Shows de fogos, orações, expectativa e muita coragem. Essas são características do rodeio que sempre é realizado nos dias da festa, o que atrai a atenção do público de todas as idades. Arquibancadas e camarotes lotados sempre são a garantia do prestígio deste esporte.

Nomes consagrados no mundo dos rodeios, como Marco Brasil e Gleydson rodrigues já se apresentaram na Cavalgada e Rodeio de Periquito. O evento, literalmente, sacode a cidade.

Nos palcos da festa, bandas renomadas nacionalmente como Marcelinho de Lima e Camargo, Pedro & Thiago, Camisa Suada, Trio Chaparral’s, Ataíde e Alexandre, Di Paulo e Paulinho, Vítor Hugo e outras fazem da festa um sucesso cada vez maior.

Grupo de Jovens “Os Gideões”

Entre as várias religiões que são proferidas dentro do município de Periquito, os evangélicos são uma larga fatia. Inserida neste contexto, a Igreja Assembleia de Deus, da sede, conta com o grupo de jovens “Os Gideões”.

Este grupo, formado por quase 100 jovens, levam a palavra de fé em que acreditam para as mais variadas pessoas. Para comemorar sua existência, o conjunto promove, anualmente, no mês de agosto, um congresso que versa entre louvor e palavra. A qualidade e o tamanho deste congresso aumentam a cada ano. Grandes nomes da música evangélica já participaram do mesmo. Jozyanne, Eliane Silva, Lília Paz, Andrea Fontes e Gisele Nascimento são alguns dos nomes que ajudam a caracterizar a festa.

No final de semana que o congresso acontece, muitas pessoas vem para Periquito com a intenção de participar do evento. Algumas noites chegam a ter mais de duas mil pessoas no templo da igreja e ao redor dele também.

Sempre com temas que enriquecem e elevam a vida espiritual das pessoas, o congresso já virou um marco no calendário periquitense e é referência regional de público e aceitação.

Distâncias aproximadas aos principais centros:
Governador Valadares – 45 Km

Ipatinga – 60 Km

Belo Horizonte – 237 Km

Rio de Janeiro: 577 Km

São Paulo: 902 Km

Rodovia principal que serve de acesso a Belo Horizonte: BR-381

Municípios limítrofes:

Governador Valadares

Açucena

Naque

Belo Oriente

Ipatinga

Fonte: Prefeitura de periquito


Nenhum Comentário »

No comments yet.

RSS feed for comments on this post. TrackBack URL

Leave a comment